• Almanza

4 formas de reduzir o sinistro do plano de saúde nas empresas



Cada vez em que o plano de saúde é acionado, seja para qualquer tipo de procedimento, como consultas, diagnoses ou tratamentos, um sinistro é registrado na apólice da empresa.

Dessa forma, a sinistralidade do plano de saúde é representada pela relação entre os sinistros (custos) ocorridos na apólice e o prêmio (receitas) pago para a operadora.


O objetivo desse cálculo é obter o percentual que aponta a utilização do plano por parte dos beneficiários. Cada operadora estabelece o valor que considera aceitável, que normalmente gira em torno de 70% a 75%, e, quando esse percentual ultrapassa o limite acordado, os valores de mensalidade a serem pagos pela empresa podem se elevar acima do índice da inflação.


Controlar esses valores é uma responsabilidade da área de Recursos Humanos, na qual os planos de saúde representam o segundo maior gasto — perdendo somente para a folha de pagamento.


Dessa forma, acompanhar de perto a sinistralidade do plano de saúde é essencial para melhorar os resultados do RH e garantir um bom desempenho financeiro ao negócio.


Para facilitar essa missão, elaboramos este post com 4 dicas essenciais para reduzir a sinistralidade do plano de saúde nas empresas. Continue lendo!


1. Orientar sobre o uso racional do plano de saúde


O primeiro passo para garantir que o plano seja utilizado da forma correta, é orientar e estimular seus funcionários a utilizarem as coberturas do plano de maneira consciente.


Para que isso seja possível, é interessante elaborar panfletos e promover palestras sobre o assunto. Esses meios permitem explicar como esse sistema funciona e demonstrar a importância de seu uso responsável.


Outra alternativa é adotar um plano de saúde com coparticipação, no qual uma parcela do pagamento é transferida ao beneficiário. Esse procedimento costuma incentivar a racionalização dos sinistros.


2. Apostar na adoção de medidas preventivas


Confirmando o ditado que diz que “é melhor prevenir do que remediar”, adotar medidas preventivas auxiliam bastante na diminuição da sinistralidade do plano de saúde. Afinal, os tratamentos para problemas de saúde mais graves são mais caros.


Portanto, é recomendado estimular hábitos de vida saudáveis. Esse tipo de comportamento não só reduz os sinistros, mas também aumenta a disposição e motivação dos funcionários.


Também é interessante investir em programas que promovam saúde, bem estar e qualidade de vida no trabalho. Ginástica laboral, campanhas de vacinação, meditação Mindfulness e até mesmo a valorização de programas públicos são alguns bons exemplos que podem ser implementados.


3. Considerar o perfil dos colaboradores


Mapear o perfil dos seus funcionários é importante na diminuição dos sinistros. Levar em conta as particularidades médicas de cada um pode facilitar o planejamento e a implementação dos programas de saúde.


Separá-los em grupos de risco ou de doenças também ajuda a prevenir problemas maiores. Por exemplo, colaboradores com quadro de hipertensão podem ter sua pressão arterial medida com uma frequência regular, assim como colaboradores diabéticos podem ter uma dieta diferenciada oferecida no refeitório da empresa.


Assim, a saúde da equipe pode ser monitorada de perto e conforme suas necessidades específicas, prevenindo maiores complicações e tratamentos mais onerosos.


4. Obter dados sobre a utilização dos beneficiários


A coleta de dados auxilia na redução da sinistralidade do plano de saúde, ao permitir a análise de como os beneficiários estão utilizando o plano. Os dados também contribuem para a tomada de decisões estratégicas no negócio.


Saber manusear e interpretar as informações é um outro ponto relevante. Para tal, a elaboração de relatórios gerenciais é uma boa opção.


Vale lembrar que esses dados devem ser confiáveis e refletir a realidade da utilização do plano, para que todas as ações que se embasam neles sejam tomadas com exatidão. Portanto, invista em uma fonte de informações segura e de qualidade.


Nos últimos anos, os percentuais de reajuste aplicados nos planos de saúde coletivos empresariais têm se mostrado bem altos, acima dos dois dígitos. Isso pode ser pior ainda em empresas com mais de 30 funcionários, nas quais o reajuste é negociado diretamente com a operadora/seguradora, sem intermediação da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS).


Por isso, é muito importante controlar a sinistralidade do plano de saúde, a fim de evitar gastos excessivos ao negociar o reajuste. Adotar algumas medidas que auxiliam na redução desse percentual pode ser a chave para melhorias significativas em sua gestão de RH!


Esse artigo ajudou você a entender como reduzir a sinistralidade do plano de saúde em sua empresa? Aproveite para compartilhá-lo em suas redes sociais e ajude seus amigos a também esclarecerem suas dúvidas!